© 2016 por Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

(00351) 21 723 11 31 / 55

 

Palácio das Laranjeiras
Estrada das Laranjeiras, 197-205
1649-018 Lisboa

 

Glossário

O Glossário de Ciência Aberta segue os princípios da transparência, do acesso aberto, da reutilização da informação e do uso de ferramentas web. As definições apresentadas são da responsabilidade de inúmeras entidades oficiais e científicas, identificadas com um link direcionado à informação original. Na recolha de informação foram privilegiados os conteúdos em formato digital. São apresentadas relações de associação entre expressões e salvaguarda-se, sempre que possível, a expressão original. Este é um projeto work-in-progress, pelo que são bem-vindos mais e novos conteúdos através do email ciência-aberta@mctes.gov.pt

 

Glossário reunido por:

Maria da Luz Antunes  

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) – Instituto Politécnico de Lisboa (IPL)

APPsyCI – Applied Psychology Research Center Capabilities & Inclusion (ISPA – Instituto Universitário)

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M|N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z
 

A

Acesso Aberto Open Access

Disponibilização na Internet de literatura de caráter académico ou científico, permitindo a qualquer utilizador ler, descarregar, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar ou referenciar o texto integral dos documentos. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

 

O acesso ao documento é direto e imediato não existindo qualquer obstáculo. O acesso aberto significa a disponibilização online, sem restrições de acesso, de literatura de caráter académico e/ou científico. Abrange comunicações em conferências, relatórios, teses e dissertações, artigos, capítulos de livros, etc., permitindo a qualquer utilizador, em qualquer parte do mundo, descarregar, ler, imprimir, pesquisar, à distância de um clique. (https://blog.rcaap.pt/2016/07/27/acesso-aberto-embargado-restrito-e-fechado-relembrar-conceitos/)

 

Significa disponibilizar livremente na Internet literatura de caráter académico, permitindo a qualquer utilizador ler, descarregar, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar ou criar a ligação para o texto completo desses documentos, indexá-los, usar os seus dados num software ou usá-los sob qualquer propósito legal, sem quaisquer outras barreiras que não sejam a financeira, técnica ou legal. A limitação sobre a reprodução e distribuição e os direitos de autor nestes domínios deve dar ao autor plenos poderes sobre a integridade do seu trabalho e o direito de ser devidamente reconhecido e citado. Também pode adequar-se a teses, livros, capítulos de livros, monografias e outros conteúdos. (http://www.budapestopenaccessinitiative.org/)

 

Também designado Acesso Livre, refere-se ao acesso à literatura científica em formato eletrónico, em particular aos artigos de revistas com revisão por pares, sem barreiras de preço e de permissões. Os três principais documentos definidores do Acesso Aberto são as Declarações de Budapeste, Bethesda e Berlim. (http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10830)

Acesso Aberto Dourado ver Via Dourada

Acesso Aberto GratuitoGratis OA

O documento é disponibilizado para leitura, isento de encargos, embora a sua reutilização seja ainda restrita, por exemplo pelos direitos de autor – Todos os Direitos Reservados. (http://creativecommons.org.nz/research/)

Acesso Aberto LivreLibre OA

O artigo é disponibilizado sob uma licença aberta, permitindo-lhe ser partilhado e reutilizado, dependendo da licença utilizada. (http://creativecommons.org.nz/research/)

Acesso EmbargadoEmbargo Access

Significa que o conteúdo está indisponível por um período limitado de tempo, findo o qual o mesmo será disponibilizado em acesso aberto e sem restrições. (https://blog.rcaap.pt/2016/07/27/acesso-aberto-embargado-restrito-e-fechado-relembrar-conceitos/)

Acesso FechadoClosed Access

Este tipo de acesso é objetivamente o oposto ao acesso aberto. O acesso direto e imediato ao documento não é permitido (apenas o administrador do repositório institucional terá acesso). (https://blog.rcaap.pt/2016/07/27/acesso-aberto-embargado-restrito-e-fechado-relembrar-conceitos/)

Acesso PúblicoPublic Access

No Canadá e nos Estados Unidos, o crescente acesso em formato digital aos resultados da investigação sustentada em financiamento público é comummente referido como acesso público ao invés de acesso aberto. A expressão Acesso Aberto é reservada para o acesso obtido através da via dourada. O acesso público pode ter uma abordagem verde ou dourada. (http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en)

Acesso RestritoRestricted Access 

Significa que o acesso direto e imediato só é permitido a um grupo restrito de utilizadores, sendo que o acesso direto e imediato ao conteúdo integral do documento não é permitido ao público em geral. O acesso aberto ao documento pode ser definido, por exemplo, para um grupo de utilizadores no domínio da instituição (controlo de acesso validado por endereço IP). (https://blog.rcaap.pt/2016/07/27/acesso-aberto-embargado-restrito-e-fechado-relembrar-conceitos/)

Adenda de Autor Author Addendum

Trata-se de um acordo suplementar adicionado a um contrato de publicação que define ou altera os termos do contrato original e centrado, na maioria das vezes, na transferência de propriedade dos direitos de autor. Para os autores de trabalhos académicos pode ser necessária uma adenda de autor ao contrato de publicação padrão de um editor para ajudar a garantir que os autores protegem os seus direitos mais importantes, como o direito de depositar os seus artigos online num site pessoal ou num repositório digital, o direito de utilizar os seus trabalhos em ambiente de sala de aula ou o direito de usar os seus trabalhos como base para investigação futura. (http://library.pitt.edu/oscp/glossary)

Agregador – Aggregator

Ferramenta agregadora de metadados provenientes de vários fornecedores de dados, disponibilizando-os num repositório OAI. (http://openaccess.inist.fr/spip.php?page=glossaire)

ALMs ver Métrica de Artigos

Altmetrics

Baseado na métrica de citação, o Altmetrics aplica métricas e dados qualitativos complementares às métricas tradicionais. Pode incluir (mas não em caráter de exclusividade) a avaliação pelos pares da Faculty of 1000, citações na Wikipédia e em documentos públicos, mensagens em blogues de investigação, marcadores em gestores de referências como o Mendeley e comentários em redes sociais como o Twitter. As suas fontes de informação são provenientes da web, pelo que o Altmetrics ajuda a caracterizar a procura, a discussão e a utilização dos resultados da comunicação académica ou dos artigos científicos. Por essa razão, o Altmetrics, enquanto API subscrito, tem vindo a ser incorporado nos sites dos investigadores, nos repositórios institucionais ou nos sites das revistas científicas. O Altmetrics pode mostrar o impacto e a influência da investigação: é um registo do impacto, uma medida de divulgação e um indicador da influência e do impacto. Vantagens do uso do Altmetrics: a rapidez no processo de acumulação de métricas de citação e a captura diversificada de impactos, que ultrapassa livros e artigos. (https://www.altmetric.com/about-altmetrics/what-are-altmetrics/)

APC (Article Processing Charge)

Taxa cobrada ao autor, criador ou instituição de modo a contemplar os custos de um artigo, em vez de sobrecarregar o potencial leitor potencial do artigo. A taxa pode ser aplicada a todo o tipo de publicações, de acesso aberto ou comercial. Por vezes, as taxas são cobradas aos autores a fim de cobrir os custos de publicação e divulgação de um artigo numa revista académica de acesso aberto. (http://openaccess.ox.ac.uk/glossary/)

APIApplication Programming Interface

Disponibiliza um mecanismo para os programadores ativarem a funcionalidade de um conjunto de módulos sem ter acesso ao código-fonte. Quando não requer uma programação para licenciamento ou para pagamento de royalties é frequentemente descrito como aberto. Os API abertos têm ajudado os serviços da Web 2.0 a desenvolver-se rapidamente. (http://www.ictliteracy.info/rf.pdf/Web2.0_research.pdf) | A forma como programas informáticos falam entre si. (http://opendatahandbook.org/glossary/

Application Programming Interface ver API

Article-Level Metrics ver Métrica de Artigos

Article in press

Texto cientificamente validado por autores e revisores, paginado e editado pelo editor da revista
e disponibilizado online, em que se aguarda pela definição do número da revista em que será publicado.

Article Processing Charge ver APC

Author’s Accepted Version ver Postprint

Author’s Initial Version ver Preprint

AutoarquivoSelf-archiving

Significa disponibilizar a cópia de um manuscrito num site pessoal, repositório institucional ou qualquer tipo de repositório. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Autor – Author

É a pessoa física criadora de obra intelectual (literária, artística ou científica). O autor é definido pela sua contribuição intelectual e/ou artística na composição de uma obra; outros autores envolvidos são compreendidos como colaboradores. É titular de direitos de autor quem adapta, traduz, arranja ou orquestra obra que se encontra sob domínio público. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

B

Base de DadosDatabase

Uma base de dados é uma estrutura desenhada para o armazenamento e a interrogação de grandes volumes de dados. A base de dados é suportada por um modelo de dados que descreve as entidades representadas, os respetivos atributos e as relações entre elas. Os modelos de base de dados são desenhados para um domínio e tendo em vista um conjunto de aplicações, captando as entidades relevantes para estas no domínio. (http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10830)

BibliometriaBibliometrics

Técnica quantitativa e estatística que permite medir índices de produção e disseminação do conhecimento, acompanhar o desenvolvimento de diversas áreas científicas e os padrões de autoria, publicação e uso dos resultados de investigação. (http://www.bad.pt/publicacoes/index.php/congressosbad/article/view/429)

 

A avaliação da produção científica, fator primordial para o reconhecimento dos investigadores junto da comunidade científica, nacional e internacional, e das agências financiadoras, faz-se através da aplicação de diversos indicadores bibliométricos. Os indicadores bibliométricos são ferramentas de avaliação e podem ser divididos em indicadores de qualidade científica, indicadores de atividade científica, indicadores de impacto científico e indicadores de associações temáticas. (http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0048733385900125)

  

Biblioteca Editora Library-based Publishing

Muitas bibliotecas académicas começam a assumir o papel de editoras de trabalhos académicos produzidos nas suas instituições. Em alguns casos, a biblioteca trabalha diretamente com a própria editora da instituição. Noutros casos, a biblioteca publica de forma independente ou separada da editora da instituição. As bibliotecas editoras são, na sua maioria, fortemente a favor do acesso aberto. (http://www.librarypublishing.org/)

Big Data – Big Data

Compilação de dados tão grande que não pode ser armazenada, transmitida ou processada pelos meios tradicionais. A crescente disponibilidade e a necessidade de processar esses conjuntos de dados (e.g., grandes conjuntos temporais ou outros dados científicos) levaram ao desenvolvimento de tecnologias computorizadas especializadas, arquiteturas e linguagens de programação. (http://opendatahandbook.org/glossary/en/)

BLIMUNDA ver Projeto BLIMUNDA

BOAI ver Declaração de Budapeste sobre o Acesso Aberto

 

C

Carta de Dados Abertos do G8G8 Open Data Charter

Os princípios da Declaração de Dados Governamentais Abertos (Sebastopol, 2007), pensados no contexto da abertura de dados governamentais, são, em princípio, aplicáveis a qualquer contexto com informação digital. O alargamento deste âmbito a dados de organizações públicas e privadas, a nível internacional e multilateral, levou à assinatura da Carta de Dados Abertos do G8. (http://www.opengovpartnership.org/countries) (https://www.gov.uk/government/publications)

Ciência AbertaOpen Science

O conhecimento é um bem de maior grandeza, um bem público, pertença de todos e que a todos deve beneficiar e ser concedido. A sociedade em geral e as comunidades associadas à produção e à curadoria do conhecimento têm um papel responsável e fundamental na promoção, na valorização, na divulgação e na partilha do conhecimento. O conhecimento é de todos e para todos. Neste sentido, a disponibilização da ciência que resulte de financiamento público é imperativa e a disponibilização aberta dos resultados da investigação realizada com recurso a financiamento público tem significativos benefícios sociais e económicos. (http://www.portugal.gov.pt/media/18506199/20160210-mctes-ciencia-aberta.pdf)

 

Ciência Aberta está associada a temáticas como o acesso aberto aos resultados científicos, dados abertos, ciência dos cidadãos e sistemas abertos de avaliação pelos pares. (http://publications.jrc.ec.europa.eu/repository/bitstream/JRC94952/jrc94952.pdf)

Ciência Cidadã – Citizen Science

O objetivo é fazer do cidadão comum um verdadeiro cientista em projetos de investigação científica reais. (https://www.scientificamerican.com/citizen-science/) (http://www.museudaciencia.org/index.php?module=events&option=calendar&id=429) | Através do computador ou do telemóvel, a ciência está a um passo do cidadão. Fazer ciência já não é só para cientistas, mas para todos os que queiram fazer parte dela. (http://citizenscience.org/)

Cimeira Mundial da Sociedade de InformaçãoWorld Summit on Information Society

Patrocinada pelas Nações Unidas, em dezembro de 2003, a Declaração de Princípios, designada "Construir a Sociedade da Informação: um desafio global para o novo milénio", revela o compromisso para a construção de uma sociedade de informação centrada nas pessoas, onde todos possam criar, aceder, utilizar e partilhar informação e conhecimento, permitindo que indivíduos, comunidades e povos alcancem o máximo potencial na promoção do seu desenvolvimento sustentável e na melhoria da sua qualidade de vida, respeitando e sustentando os propósitos da Carta das Nações Unidas e da Declaração Universal dos Direitos do Homem. O texto da Declaração também relaciona o acesso à informação e ao conhecimento, bem como a sua partilha, com o desenvolvimento dos povos, em conformidade com as Metas de Desenvolvimento do Milénio. (http://www.itu.int/net/wsis/docs/geneva/official/dop.html)

CitaçãoCitation

Ato ou efeito de citar. É a menção no texto de informações extraídas de uma fonte documental que tem o propósito de esclarecer ou fundamentar as ideias do autor. Forma breve de referência colocada entre parênteses no interior do texto ou anexada ao texto como nota em pé de página e que permite identificar a publicação onde foram obtidos a ideia, o excerto, etc. e indicar a sua localização exata na fonte. A fonte de onde foi extraída a informação deve ser citada obrigatoriamente, respeitando-se os direitos de autor. (Pericão & Faria, 2008) | Indicar ou anotar os autores e os textos que se referem ao que se escreve. Citar é sempre um exercício escrito, algo que nos possibilita verificar. A oralidade não o permite. Indicar como autoridade ou exemplo. (Lopes, 2013)

Comunicação Académica Scholarly Communication

Criação, transformação, difusão e preservação do conhecimento relacionado com o ensino, investigação e trabalhos académicos, em que professores e investigadores partilham e publicam os resultados do seu trabalho de modo a disponibilizá-los a toda a comunidade académica. (http://library.pitt.edu/oscp/glossary#oscp_glossary-page-77)

Conhecimento / SaberKnowledge

O resultado da assimilação da informação obtida ao longo da aprendizagem. O conhecimento é o conjunto de factos, princípios, teorias e práticas relacionadas com uma área de estudo ou de trabalho. O conhecimento pode ser tácito e explícito. (Ohlsson, 1994)

 

O conhecimento tácito define-se como o conhecimento (não necessariamente expresso ou consciente) adquirido pelo estudante e que influencia o processo cognitivo. (Polanyi, 1966) | O conhecimento explícito corresponde ao conhecimento que pode ser mobilizado conscientemente pelo estudante e compreende o conhecimento tácito, tornado explícito quando se converte num «objeto de pensamento». (http://rer.sagepub.com/content/59/1/1.abstract)

 

Resultado da assimilação de informação através da aprendizagem. Os conhecimentos constituem o acervo de factos, princípios, teorias e práticas relacionados com uma área de trabalho ou de estudo. No âmbito do Quadro Europeu de Qualificações descrevem-se os conhecimentos como teóricos e/ou factuais. (http://www.ulisboa.pt/wp-content/uploads/Regulamentos/Regulamentos_da_anterior_UL/0011.pdf)

Conjunto de Dados Data Set

Conjunto de registos relacionados num dispositivo de armazenamento, em que as unidades de dados individuais se encontram organizadas ou formatadas de uma forma específica, muitas vezes em forma de tabela, e acessíveis através de um método de acesso também próprio, baseado na organização do conjunto de dados. (http://www1.nyc.gov/assets/doitt/downloads/pdf/nyc_open_data_tsm.pdf)

 

Um conjunto de dados, ou conjunto de dados científicos, reúne itens de natureza semelhante que foram colecionados para servirem de base à investigação. Nos dados científicos existe uma granularidade bem estabelecida. Se os dados são registos de entrevistas, cada entrevista é um item, com a sua estrutura de perguntas, e o conjunto de dados é o conjunto das entrevistas (e não o conjunto das respostas a perguntas individuais). A granularidade pode ser óbvia, como no caso de um conjunto de fotografias, ou dependente da visão dos investigadores sobre a realidade, como acontece num conjunto de dados botânicos, em que a unidade pode ser a espécie ou o exemplar dessa espécie que vai ser estudado. (http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10830)

Conjunto de Dados Públicos Public Data Set

Conjunto de dados interrelacionados disponíveis ao público, salvaguardados em sistema informático e em conformidade com o disposto na lei ou com a regulação de uma agência financiadora. (http://www1.nyc.gov/assets/doitt/downloads/pdf/nyc_open_data_tsm.pdf)

Crowdsourcing | Processo de abertura da ciência à participação do público. (https://royalsociety.org/~/media/Royal_Society_Content/policy/projects/sape/2012-06-20-SAOE.pdf)

Curadoria de DadosData Curation

A curadoria de dados designa o conjunto de ações que garantem que um conjunto de dados é genuíno, permitindo o seu uso por outros que não os seus produtores. A curadoria pode envolver ações de descrição dos dados, de ligação destes a outros que os tornem inteligíveis, de registo dos usos que tenham e dos resultados a que tenham dado origem. A curadoria envolve também ações de preservação, em que a representação dos dados e os seus metadados tenham de ser modificados. As ações de curadoria e de gestão de dados têm alguma interseção, sendo as de gestão mais independentes do conteúdo e do uso. (http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10830)

 

D

DadosData

Dados são versões finais de informação estatística ou factual. Existem sob um formato alfanumérico traduzido em lista, tabela, gráfico, mapa ou qualquer outra forma não narrativa que possa ser digitalmente disseminada ou processada. São regularmente criados ou mantidos por ou em nome de uma agência financiadora. Esta designação não inclui a informação fornecida a uma agência por outras entidades governamentais, nem deve incluir arquivos de imagem, como desenhos, mapas, fotos ou cópias digitalizadas de documentos originais, mas deve incluir informação estatística ou factual sobre esses arquivos de imagem bem como dados do sistema de informação geográfica. (http://www1.nyc.gov/assets/doitt/downloads/pdf/nyc_open_data_tsm.pdf)

Dados AbertosOpen Data

Dados que podem ser usados livremente, reutilizados e redistribuídos por qualquer pessoa – estão sujeitos, no máximo, a igual exigência de atribuição de autoria e de partilha. Características mais importantes: 1) A disponibilidade e o acesso: os dados devem estar disponíveis como um todo e a um custo razoável de reprodução, preferencialmente descarregáveis a partir da Internet. Os dados também devem estar disponíveis num formato modificável; 2) A reutilização e redistribuição: os dados devem ser fornecidos sob condições que permitam a sua reutilização e redistribuição, incluindo a miscigenação com outros conjuntos de dados; 3) A participação universal: todos devem ser capazes de usar, reutilizar e redistribuir – não é aceite a discriminação face a campos de atuação ou face a pessoas ou grupos. Por exemplo, não são permitidas as restrições 'não comerciais' que impedem o uso comercial ou a restrição de utilização para determinados fins (e.g., para efeitos académicos). (http://opendatahandbook.org/guide/en/what-is-open-data/)  (http://opendatahandbook.org/glossary/)

Dados Abertos BNP – BNP Open Data

A Biblioteca Nacional de Portugal (BNP) fornece informação e acesso aos conjuntos de dados que disponibiliza livre e gratuitamente: todo o catálogo bibliográfico da BNP, da Base Nacional de Dados Bibliográficos – PORBASE, a Bibliografia Nacional Portuguesa (desde 1931) e a Biblioteca Nacional Digital, entre outros. Os dados são disponibilizados sob uma licença CC0, pelo que podem ser utilizados, e reutilizados, sem quaisquer restrições, para quaisquer fins, comerciais ou não. Os serviços de acesso aos dados e conjunto de dados não requerem qualquer registo prévio ou autenticação. (http://opendata.bnportugal.pt)

Dados Abertos GovernamentaisOpen Government Data

Dados abertos produzidos pelo Governo. Tratam-se de dados compilados no exercício das competências institucionais, como atividades que não identifiquem pessoas individualmente ou que violem conteúdos comerciais. Os dados abertos governamentais são um subconjunto da informação do setor público. (http://opendatahandbook.org/glossary/)

Dados CientíficosScientific Data

Contemplam todos os dados e resultados da investigação científica. | Dados que são produzidos no contexto de investigação científica ou que de alguma forma são usados em investigação. Estes dados podem ser criados para efeito de processamento científico, como nos dados atmosféricos usados para previsão meteorológica, ou os dados recolhidos de sensores para monitorizar o estado de um edifício. Há dados que são obtidos como resultados do processamento automático de objetos (eles próprios representados como dados), como, por exemplo, os histogramas de cor obtidos através do processamento de uma coleção de imagens. Existem ainda dados que não sendo produzidos para investigação acabam por ser objeto dela, como as contribuições que os utilizadores de uma rede social fazem, na forma de textos ou outros conteúdos, e que acabam por ser utilizados para estudos sociológicos. (http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10830)

Dados de InvestigaçãoResearch Data

São os dados usados na investigação científica enquanto fontes primárias e são comummente aceites na comunidade científica como necessários para validar os resultados da investigação. São recuperados e produzidos através de uma ampla gama de formatos: digital spreadsheets, bases de dados, resultados de inquéritos, imagens ou objetos. A consulta e a utilização destes dados da investigação envolvem frequentemente o uso de programas específicos de computador, software, etc. (http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en) | Todos os dados utilizados para produzir resultados científicos. (http://books.openedition.org/oep/1653)

Dados.gov

Portal onde está publicada e agregada informação produzida pela Administração Pública para que possa ser lida e reutilizada por qualquer cidadão. O principal objetivo do Dados.gov é fomentar a transparência e dar relevo à informação produzida pela Administração Pública. A reutilização da informação é, igualmente, um dos pilares essenciais da criação do Dados.gov, ajudando na criação de novas ferramentas para fornecer um novo uso aos dados em bruto produzidos pela Administração Pública. Os dados estão disponíveis em diferentes formatos eletrónicos, inseridos num catálogo onde a pesquisa contém diversos critérios de forma a simplificar a sua procura. Os utilizadores do Dados.gov são uma peça chave no desenvolvimento do portal. Na secção "Participe" é possível o cidadão deixar a sua ideia para uma base de dados que ainda não esteja disponível ou indicar aplicações a desenvolver tendo em conta os dados já disponíveis. Para além disso, cada base de dados pode ser votada de acordo com o interesse de cada cidadão. Esta votação permitirá a novos utilizadores compreender rapidamente quais os conjuntos de dados que têm suscitado mais interesse. (http://www.dados.gov.pt/PT/Info/PerguntasFrequentes.aspx)

Data de Aceitação para Publicação Accepted Author Manuscript

Momento em que o autor é notificado pela revista, conferência ou meio de publicação similar, que o seu trabalho foi sujeito a revisão científica pela revista, comité científico da conferência ou similar, frequentemente através de processos de arbitragem por pares; que todas as alterações requeridas decorrentes desse processo de revisão foram já efetuadas; que o trabalho se encontra pronto a percorrer as restantes etapas necessárias para efeitos de publicação, como a edição e revisão de texto (meramente ortográfica) e a composição tipográfica (formatação e estilo); que a partir deste ponto não haverá qualquer alteração ao conteúdo do trabalho, apenas alterações decorrentes da revisão de texto, da composição tipográfica e outras levadas a cabo pela editora, as quais não interferem com o conteúdo do trabalho. (http://www.fct.pt/faq/pr.phtml.pt?idFaq=A84F4B1B-E707-4B44-928F-2B7B26E2C6DE)

Data de Publicação FormalFormal Publication

Data em que o trabalho é publicamente divulgado pelo meio de publicação escolhido pelo autor, por exemplo, a data de publicação de uma revista impressa ou, no caso de se tratar de um meio de publicação online, a data em que o trabalho é disponibilizado online por esse meio, como é o caso de revistas online, páginas web de conferências ou outros eventos científicos. (http://www.fct.pt/faq/pr.phtml.pt?idFaq=A84F4B1B-E707-4B44-928F-2B7B26E2C6DE)

Declaração de Berlim sobre Acesso Livre ao Conhecimento nas Ciências e HumanidadesBerlin Declaration on Open Access to Knowledge in the Sciences and Humanities

Subscrita, em 22 de outubro de 2003, por representantes de várias das mais importantes instituições científicas europeias, entre as quais a Sociedade Max-Planck (Alemanha) e o Centre National de la Recherche Scientifique (França). A Declaração apoia o acesso aberto e encoraja investigadores e bolseiros a depositar os seus trabalhos, pelo menos, num repositório. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

Declaração de Bethesda sobre o Acesso Aberto Bethesda Statement on Open Access Publishing

Em abril de 2003 reuniram-se, na sede do Howard Hughes Medical Institute, diversas personalidades (cientistas, editores, bibliotecários, etc.) ligadas à informação na área biomédica com o objetivo de estimular a discussão sobre a forma de concretizar, tão rapidamente quanto possível, o objetivo de assegurar o acesso livre à literatura científica. A Declaração contém uma definição de Acesso Livre, bem como conclusões e recomendações de grupos de trabalho sobre organismos e instituições financiadores de I&D, Bibliotecas e editores, sociedades científicas e investigadores. (http://legacy.earlham.edu/~peters/fos/bethesda.htm)

Declaração de Budapeste sobre o Acesso Aberto – Budapest Open Access Initiative (BOAI)

Importante iniciativa do movimento de Acesso Aberto ao Conhecimento, resultado da reunião em Budapeste, no final de 2001, promovida pelo Open Society Institute. A declaração aprovada estabeleceu o significado e o âmbito do acesso aberto, além de definir duas estratégias complementares para a sua promoção: a via verde e a via dourada. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

Declaração de Dados Governamentais AbertosOpen Government Data Statement

Os dados abertos foram definidos num conjunto de princípios estabelecidos numa reunião realizada em dezembro de 2007, em Sebastopol (Califórnia). O foco da reunião foi a abertura da informação governamental. No entanto, nos anos seguintes, o conceito foi ampliado a fim de incluir dados científicos, até mesmo de organizações privadas. Os seus princípios estabelecem que quaisquer dados, de modo a serem "abertos", devem poder ser usados por qualquer pessoa e sob qualquer finalidade. Esta definição destina-se a orientar o processo de abertura de dados para que possam ser considerados "abertos". (https://public.resource.org/8_principles.html)

Declaração de HelsínquiaHelsinki Declaration

Enunciado de princípios éticos, datado de 1964 e revisto ao longo dos anos, para a investigação clínica envolvendo seres humanos, incluindo investigação sobre dados e material humano identificáveis. A investigação médica em seres humanos deve adequar-se aos princípios científicos genericamente aceites, fundamentar-se nos conhecimentos da literatura científica e de outras fontes relevantes de informação, na experimentação laboratorial e, se apropriado, animal. O bem-estar dos animais usados para investigação deve também ser respeitado. (http://ispup.up.pt/docs/declaracao-de-helsinquia.pdf)

Declaração de KronbergKronberg Declaration on the Future of Knowledge Acquisition and Sharing

Em junho de 2007, a UNESCO lança a versão final da Declaração de Kronberg sobre o Futuro da Aquisição do Conhecimento e Partilha que antecipa que: a) a aquisição e a partilha do conhecimento serão crescentemente mediadas por tecnologias; b) o conhecimento estará cada vez mais próximo do desenvolvimento social e das habilidades emocionais e da capacitação, ampliando o conceito de educação; c) a importância da aquisição factual do conhecimento será gradativamente diminuída, enquanto a habilidade de pesquisar caminhos em sistemas complexos, pesquisar, avaliar e organizar a informação; d) o novo papel do professor, não como instrutor, mas como facilitador e tutor; e e) os estudantes terão um papel cada vez mais ativo na aquisição, partilha, criação de conteúdos e divulgação do conhecimento. (http://portal.unesco.org/ci/en/files/25109/11860402019Kronberg_Declaration.pdf/Kronberg%2BDeclaration.pdf)

Digital Repository Infrastructure Vision for European Research ver DRIVER

Directory of Open Access Journals ver DOAJ

Direitos de AutorCopyright

Os direitos de autor pertencem ao criador intelectual da obra, salvo disposição expressa em contrário e são reconhecidos independentemente do registo, depósito ou qualquer outra formalidade. São consideradas obras as criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, quaisquer que sejam o género, a forma de expressão, o mérito, o modo de comunicação e o objetivo, por qualquer modo exteriorizadas, que, como tais, são protegidas nos termos da lei, incluindo-se nessa proteção os direitos dos respetivos autores. O autor tem os direitos de caráter patrimonial e os de natureza pessoal, denominados direitos morais. No exercício dos direitos de caráter patrimonial, o autor tem o poder exclusivo de dispor da sua obra e de usufruí-la e utilizá-la, ou autorizar o seu usufruto ou utilização por terceiro (com as exceções referidas em utilização livre), total ou parcialmente. Independentemente dos direitos patrimoniais, e mesmo depois da transmissão ou extinção destes, o autor goza de direitos morais sobre a obra, designadamente o direito de reivindicar a respetiva autoria e assegurar a sua genuinidade e integridade. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

DOAB – Directory of Open Access Books

O DOAB é um serviço da OAPEN Foundation, projeto international dedicado à edição de livros em acesso aberto, sendo o seu objetivo o de aumentar a descoberta de livros em acesso aberto. As editoras académicas são convidadas a fornecer os metadados dos seus livros editados em acesso aberto ao DOAB. Os metadados são recuperados de modo a maximizar a divulgação, a visibilidade e o impacto. Os agregadores podem integrar os registos em bases de dados e também as bibliotecas podem integrar o diretório nos seus catálogos online, dinamizando o DOAB junto das suas comunidades académicas. O DIAB está aberto a todos os editores que publiquem livros em acesso aberto, revistos pelos pares. (http://www.doabooks.org/)

DOAJDirectory of Open Access Journals

Diretório de indexação em acesso aberto que indexa revistas avaliadas pelos pares. (https://doaj.org/)

DRIVERDigital Repository Infrastructure Vision for European Research

Projeto dinamizado por um consórcio financiado pela União Europeia. Objetivo: a constituição de uma estrutura organizacional e tecnológica para implementação de dados pan-europeus de modo a permitir o uso avançado de recursos de conteúdos na área da investigação no ensino superior. O DRIVER II desenvolveu uma infraestrutura de serviços e outra de dados. Ambas foram concebidas para instrumentar os recursos e serviços existentes na rede de repositórios. Deste projeto emanaram vários estudos sobre o estado da arte no que concerne a repositórios digitais, que tiveram como ponto alto as Diretrizes DRIVER que visam possibilitar uma maior interoperabilidade de dados e fornecedores de serviços. As Diretrizes DRIVER para provedores de conteúdo fornecem informações e têm como objetivos: a) apoiar gestores de repositórios na exposição de recursos textuais com o protocolo OAI-PMH de forma interoperável; b) fornecer orientação para os gestores de novos repositórios definirem as suas políticas locais de gestão de dados; c) orientar gestores, de repositórios já existentes, na decisão de medidas com vista à melhoria dos serviços prestados; e d) apoiar desenvolvedores de plataformas de repositórios na criação e suporte de novas funcionalidades. (http://openaccess.sdum.uminho.pt/?page_id=222)

Duplo PagamentoDouble-dipping

No contexto do acesso aberto, a dupla taxa ocorre quando uma revista disponibiliza um artigo em regime de APC para publicar o trabalho de um autor e, em simultâneo, exige o pagamento do potencial utilizador do trabalho (geralmente através de uma taxa de assinatura). Este modelo faz com que a instituição ou o autor paguem duas vezes para aceder ao trabalho. (http://openaccess.ox.ac.uk/glossary/)

 

E

Early article ver Article in press


Early preview ver Article in press

eCiênciaeScience

A eCiência é uma das áreas de ação com crescente relevância para as políticas e modelos de governação da Ciência e da Inovação. A Fundação para a Ciência e Tecnologia tem dedicado especial atenção à promoção do potencial de instrumentos TIC para as atividades de Investigação e Desenvolvimento, não só apoiando e oferecendo infraestruturas e serviços TIC de suporte ao sistema científico, como ainda promovendo a produção, integração e disseminação de conteúdos em acesso aberto. (https://www.fct.pt/dsi/eciencia/index.phtml.pt)

EditoraPublisher

Empresa com o objetivo de disponibilizar publicamente os resultados da investigação. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

E-print

Versão digital de um artigo científico com peer-review, antes ou depois da avaliação e publicação. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

Eprints

Software gratuito para implementação de repositórios digitais. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

European Cloud Initiative

O projeto, que pretende a construção de uma economia competitiva de dados e do conhecimento na Europa, visa o reforço da posição europeia na inovação orientada por dados, a melhoria da coesão e da competitividade e ajudar a criar um mercado único digital na Europa. Esta iniciativa proporcionará à ciência europeia, indústria e autoridades públicas o armazenamento e a gestão de uma infraestrutura de dados de âmbito mundial; uma conectividade de alta velocidade para o transporte de dados; e computadores cada vez mais potentes para o processamento de dados. O projeto facilitará, aos investigadores e às empresas e serviços públicos, a exploração dos benefícios do Big Data, possibilitando e facilitando mover, partilhar e reutilizar dados entre mercados e entre organismos de investigação. A competitividade aumentará quando os dados de investigação se disponibilizarem abertamente, em especial para novas empresas, PME e para empresas que possam usar os dados como base para a inovação e I&D, podendo também contribuir para o estímulo a novas indústrias. (https://ec.europa.eu/digital-single-market/en/%20european-cloud-initiative)

 

F

Facilitate Open Science Training for European Research ver FOSTER

Formato de Ficheiros – File Format

A descrição de como é representado um ficheiro num disco de computador. O formato corresponde geralmente à última parte do nome do ficheiro (extensão); por exemplo, um ficheiro no formato CSV pode ser designado por escolas-list.csv. O formato do ficheiro refere-se ao formato interno do ficheiro, não como ele é apresentado aos utilizadores. Ficheiros CSV e XLS, por exemplo, são estruturados de forma muito diferente no disco, mas podem ser semelhantes ou idênticos quando aberto num programa como o Excel. (http://opendatahandbook.org/glossary/en/)

FOSTER (Facilitate Open Science Training for European Research)

O portal FOSTER é uma plataforma de elearning que reúne os melhores recursos de formação para os interessados em Ciência Aberta ou para quem precisa desenvolver estratégias e habilidades para a implementação de práticas de ciência aberta nos seus fluxos diários de trabalho. O projeto FOSTER tem cerca de dois anos, é financiado pela União Europeia e é desenvolvido por treze parceiros de oito países. O objetivo principal é produzir um programa de formação a nível europeu que ajude investigadores, estudantes de pós-graduação, bibliotecários e outros interessados ​em incorporar o acesso aberto nas suas metodologias de investigação. Outros objetivos: apoiar os interessados, especialmente os jovens investigadores, na adoção do acesso aberto no contexto europeu da investigação e no cumprimento das políticas de acesso aberto e regras de participação estabelecidas para o Horizonte 2020; fortalecer a capacidade de formação institucional na promoção do cumprimento das políticas de acesso aberto no espaço europeu da investigação e no âmbito do Horizonte 2020 (para além do projeto FOSTER); facilitar a adoção, o reforço e a implementação de políticas de acesso aberto de outros financiadores europeus, alinhados com as recomendações da União Europeia e em parceria com o projeto PASTEUR4OA. (https://www.fosteropenscience.eu/about)

 
 

G

H

Horizonte 2020Horizon 2020

O Horizonte 2020 – Programa-Quadro Comunitário de Investigação & Inovação, com um orçamento global superior a 77 mil milhões de euros para o período 2014-2020, é o maior instrumento da Comunidade Europeia especificamente orientado para o apoio à investigação, através do cofinanciamento de projetos de investigação, inovação e demonstração. O apoio financeiro é concedido na base de concursos e mediante um processo independente de avaliação das propostas apresentadas. O H2020 é composto por três pilares programáticos com âmbitos diferentes: Pilar I – Excelência Científica (com cerca de 32% do orçamento total); Pilar II – Liderança Industrial (correspondente a cerca de 22% do orçamento); Pilar III – Desafios Societais (com cerca de 39% do orçamento total). Para além destes três pilares existem ainda outros instrumentos que representam, no total, cerca de 6% do orçamento do H2020. Adicionalmente, o programa EURATOM, destinado a atividades na área da energia nuclear, tem um orçamento, no âmbito do H2020, de 2,37 milhões de euros para o período de 2014 a 2020. (http://www.gppq.pt/h2020/h2020.php)

 

O Horizonte 2020 tem o apoio político dos dirigentes europeus e dos membros do Parlamento Europeu. Estes decidiram que o investimento em investigação e inovação é crucial para o futuro da Europa e, assim, colocaram-no no centro da estratégia Europa 2020 para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo. O Horizonte 2020 contribui para este objetivo, conjugando investigação e inovação e assentando nos três pilares da excelência científica, da liderança industrial e dos desafios societais. O que se pretende é garantir que a Europa produza ciência e tecnologia de craveira mundial que sejam capazes de sustentar o crescimento económico. (https://ec.europa.eu/programmes/horizon2020/sites/horizon2020/files/H2020_PT_KI0213413PTN.pdf)

 

I

InformaçãoInformation

É, na atualidade, um produto económico que dá nome a uma sociedade. | São dados a que atribuímos significado dentro de um determinado contexto. Quando a informação é incorporada intelectualmente pelo sujeito e tem impacto na sua ação, transforma‑se em conhecimento. (http://www.rbe.min-edu.pt/np4/681.html)

 

Informação é qualquer coleção de dados que são processados, analisados, interpretados, classificados ou comunicados de forma a servir um propósito útil, apresentar factos ou representar conhecimentos sob qualquer meio ou forma. O que inclui a apresentação em formato eletrónico (digital), impresso, áudio, vídeo, imagem, gráfico, cartográfico, textual ou numérico. (https://www.health.qld.gov.au/performance/docs/opendata/open-data-strategy.pdf)

Informação Científica e Técnica Scientific and Technical Information

Compreende o total da informação produzida pela investigação necessária para a atividade científica e industrial. Pela sua natureza, a informação científica e técnica contempla todos os setores científicos e técnicos e múltiplos formatos: artigos, recensões e livros científicos, procedimentos técnicos, documentação técnica, patentes, bases de dados bibliográficas, literatura cinzenta, bancos de dados, arquivos abertos, repositórios de dados inacessíveis na Internet, portais, etc. (http://books.openedition.org/oep/1653)

Interface de Programação de Aplicações ver API

Interoperabilidade Interoperability

A capacidade de diversos sistemas e organizações para trabalhar em conjunto (interoperar). Neste caso, é a capacidade de interoperar – ou intermisturar – diferentes conjuntos de dados. A interoperabilidade é importante porque permite que diferentes componentes trabalhem em conjunto. (http://opendatahandbook.org/guide/en/what-is-open-data/)

Investigação PúblicaPublic Research

Investigação realizada no setor público, incluindo instituições públicas de ensino superior, instituições públicas de investigação, instituições públicas de saúde e empresas públicas. (http://books.openedition.org/oep/1653)

Investigação Replicável Aberta – Open Reproducible Research

Em 2014, o National Institutes of Health (NIH),  o Nature Publishing Group, a Science e editores de mais de 30 revistas científicas estabeleceram e subscreveram os Principles and Guidelines for Reporting Preclinical Research (https://www.nih.gov/research-training/rigor-reproducibility/principles-guidelines-reporting-preclinical-research). Outras iniciativas surgiram, antes e depois, adaptadas às diferentes áreas científicas mas destacam-se: a análise estatística rigorosa, a transparência no relato dos dados obtidos, a partilha de dados e materiais e a consideração de possíveis respostas e/ou refutação da investigação.

 

J

 

K

 

L

Licença Creative CommonsCreative Commons License

As Licenças Creative Commons permitem expandir a quantidade de obras disponibilizadas livremente e estimular a criação de novas obras com base nas originais, de uma forma eficaz e muito flexível, recorrendo a um conjunto de licenças padrão que garantem a proteção e liberdade com alguns direitos reservados. As Licenças Creative Commons situam-se entre os direitos de autor (todos os direitos reservados) e o domínio público (nenhum direito reservado). Têm âmbito mundial, são perpétuas e gratuitas. Através das Licenças Creative Commons, o autor de uma obra define as condições sob as quais essa obra é partilhada, de forma proativa e construtiva, com terceiros, sendo que todas as licenças requerem que seja dado crédito ao autor da obra, da forma por ele especificada. (http://creativecommons.pt/)

Licença CC-BY (atribuição) ver Licença CC de Atribuição (BY)

Licença CC de Atribuição (BY) License CC Attribution (BY)

Esta é a licença mais permissiva do leque de opções. Nos termos desta licença, a utilização da obra é livre, podendo os utilizadores fazer dela uso comercial ou criar obras derivadas a partir da obra original. Essencial é, apenas, que seja dado o devido crédito ao seu autor. (http://creativecommons.pt/cms/view/id/28/

Licença CC de Partilha nos mesmos termos (SA)License CC ShareAlike (SA)

Quando um autor opte pela concessão desta licença pretenderá, não só que lhe seja dado crédito pela criação da sua obra, como também que as obras derivadas desta sejam licenciadas nos mesmos termos em que o foi a sua própria obra. Esta licença é muitas vezes comparada com as licenças de software livre. (http://creativecommons.pt/cms/view/id/28/

Licença CC de Uso Não-Comercial (NC)License CC NonCommercial (NC)

De acordo com esta licença, o autor permite uma utilização ampla da sua obra (reutilizar e partilhar), limitada, contudo, pela impossibilidade de se obter através dessa utilização uma vantagem comercial. É também essencial que seja dado o devido crédito ao autor da obra original. (http://creativecommons.pt/cms/view/id/28/

Licença CC de Uso Não-Comercial e de Proibição de Obras Derivadas (NC-ND)License CC Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (NC-ND)

Esta é a licença menos permissiva do leque de opções que se oferece ao autor, permitindo apenas a redistribuição. Mediante adoção desta licença, não só não é permitida a realização de um uso comercial, como é inviabilizada a realização de obras derivadas. Dada a sua natureza, esta licença é muitas vezes chamada de licença de “publicidade livre”. (http://creativecommons.pt/cms/view/id/28/)

Licença CC-NC ver Licença CC de Uso Não-Comercial (NC)

Licença CC-NC-ND ver Licença CC de Uso Não-Comercial e de Proibição de Obras Derivadas (NC-ND)

Licença CC-ND (sem derivações) ver Licença CC Sem Derivações (ND)

Licença CC-SA ver Licença CC de Partilha nos mesmos termos (SA)

Licença CC Sem Derivações (ND) License CC NoDerivatives (ND)

Esta licença permite a redistribuição, comercial ou não-comercial, desde que a obra seja utilizada sem alterações e na íntegra. É também essencial que seja dado o devido crédito ao autor da obra original. (http://creativecommons.pt/cms/view/id/28/

Licença CC0License CC0

CC0 permite aos cientistas, investigadores, artistas e outros criadores e proprietários de conteúdos protegidos por direitos de autor a renunciar a esses direitos e, assim, colocá-los no domínio público, para que outros possam deles usufruir, reutilizar e melhorar para quaisquer fins e sem restrições sob a legislação de direitos de autor. (https://creativecommons.org/share-your-work/public-domain/cc0/)

 
 

M

Mandato de Depósito Mandate

Política da responsabilidade de uma organização, mandatória e em conformidade com a política de acesso aberto. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

 

MegarevistaMegajournal

Revista com critérios editoriais baseados na solidez científica, em vez de critérios baseados na noticiabilidade ou no impacto científico. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Metadados Metadata

Significa, literalmente, dados sobre dados. São dados associados a objetos ou sistemas de informação para fins de descrição, administração, uso, preservação, etc. Podem ser classificados como descritivos (servem para identificação e localização), administrativos (para criação, identificação de direitos, controlo de acesso, etc.) e estruturais (para relacionar objetos digitais). (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

  

Métrica de ArtigosArticle-Level Metrics (ALMs)

Providencia uma medida de impacto e de alcance dos artigos – desde visualizações e descarga de ficheiros até às redes sociais – ainda antes de ocorrer a primeira citação. Controla o acesso, utilização e reutilização dos resultados da investigação – desde artigos a conjuntos de dados – para ajudar a compreender a influência de um trabalho na comunidade científica. (https://www.plos.org/article-level-metrics)

Métricas Alternativas ver Altmetrics

Modelo de Pagamento pelo Autor The “author pays” Model

Modelo aplicável quando os autores, ou as suas instituições ou as fontes dos seus financiamentos de investigação, pagam aos editores os custos de processamento dos artigos em acesso aberto e gratuito para qualquer leitor. É uma alternativa aos modelos pagos pelo leitor e pelo financiador. (http://books.openedition.org/oep/1653)

Modelo de Pagamento pelo LeitorThe “reader pays” Model

Modelo tradicional no mercado editorial, que funciona por assinatura. Os leitores têm acesso apenas a revistas e a livros para os quais, ou mais frequentemente a sua instituição, tenham adquirido uma assinatura de um ou mais editores. É uma alternativa aos modelos pagos pelo autor e pelo financiador. (http://books.openedition.org/oep/1653)

Movimento Aberto – Open Movement

O movimento aberto procura trabalhar em função da resolução de muitos dos problemas mais prementes do mundo num espírito de transparência, colaboração, reutilização e acesso sem custos. Engloba dados abertos, um governo aberto, um desenvolvimento aberto, a ciência aberta, entre outros. Os processos de participação, a partilha do conhecimento e dos resultados de investigação, bem como o uso de softwares de código aberto estão entre as suas principais ferramentas. (http://opendatahandbook.org/glossary/en/)

 

Movimento do Acesso Aberto – Open Access Movement

Designa o conjunto de iniciativas empreendidas para a disponibilização dos resultados da investigação, sem restrições de acesso, quer através do autoarquivo quer através da publicação em revistas científicas de acesso aberto. (http://openaccess.inist.fr/spip.php?page=glossaire)

N

Not yet published ver Article in press

 

O

OAIOpen Archives Initiative

Foi lançada em 1999 e criada sob uma plataforma simples, de modo a permitir a interoperabilidade e a pesquisa de publicações científicas de diversas disciplinas. Esta iniciativa surgiu no seio da comunidade dos eprints e partiu de uma abordagem essencialmente técnica (de que resultou o protocolo OAI-PMH), sem grande preocupação filosófica. Mas, ao fornecer uma base estável para a interoperabilidade de arquivos abertos, e face ao número crescente de servidores que o implementam, contribui para dar maior visibilidade e encorajamento ao movimento de Acesso Livre ao Conhecimento. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

OASIS

Consórcio sem fins lucrativos impulsionador do desenvolvimento, da convergência e da adoção de padrões abertos para a Sociedade de Informação. Promove o consenso da indústria e desenvolve padrões mundiais de segurança para a Internet of Things, a nuvem em computação, energia, tecnologias de informação, entre outras áreas. Os padrões OASIS oferecem o potencial da redução de custos, estímulo à inovação, crescimento de mercados globais, etc. Os membros OASIS representam amplamente o mercado público e privado das tecnologias. O consórcio tem mais de 5.000 participantes, representando mais de 600 organizações e membros individuais em mais de 65 países. (https://www.oasis-open.org/org)

Online first ver Article in press

Open Access Infrastructure for Research in Europe ver OpenAIRE

Open Source – Open Source

Software em que o código da fonte se encontra disponível sob uma licença aberta. Não só o software ser usado gratuitamente como os seus utilizadores, com as competências técnicas adequadas, podem visualizar o código da fonte, modificá-lo e executar a sua própria versão do código, de forma a corrigir erros, a desenvolver novas funcionalidades, etc. Os grandes softwares de código aberto conseguem ter milhares de colaboradores voluntários. A Definição de Open é claramente baseada na anterior Definição de Código Aberto, que define as condições em que o software pode ser considerado de código aberto. (http://opendatahandbook.org/glossary/en/)

OpenAIREOpen Access Infrastructure for Research in Europe

Infraestrutura pan-europeia que apoia o Mandato de Acesso Aberto da União Europeia ao abrigo do Horizonte 2020. Todas as publicações financiadas pela União Europeia devem ser disponibilizadas em Acesso Livre e no portal OpenAIRE, numa das suas fontes de dados, como os repositórios e os editores em acesso aberto. (https://www.openaire.eu/)

Open Archives Initiative ver OAI

Overlay journals

Revista eletrónica de acesso aberto que não produz os seus próprios conteúdos, mas que seleciona e preserva conjuntos de artigos que já estão disponíveis online gratuitamente (e.g., Epijournal). (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

 

P

Partilha Sharing

O uso conjunto de um recurso ou de um espaço – aspeto fundamental da investigação colaborativa. Como a maioria da investigação é autorizada e publicada em formato digital, o conteúdo digital resultante é considerado como não competitivo e pode ser partilhado sem danos para o criador original. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

PatentePatent

Contrato legal que protege as invenções, como produtos, processos ou aparelhos. Para ser patenteável, uma invenção deve ser nova, uma aplicação industrial e deve implicar uma atividade inventiva. (https://royalsociety.org/~/media/Royal_Society_Content/policy/projects/sape/2012-06-20-SAOE.pdf)

Peer-review

A revisão pelos pares é o processo de avaliação e certificação da qualidade da investigação e dos seus resultados. Os artigos das principais revistas científicas são objeto deste processo de avaliação e revisão antes de serem publicados. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

Período de EmbargoEmbargo Period

É o tempo descrito no contrato entre o autor e a editora que estabelece os direitos exclusivos para a utilização da obra e impede que, nesse período, o autor deposite em acesso aberto o seu trabalho em formato digital. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

Plágio Plagiarism

Utilização de um texto ou de uma passagem sem referir o seu autor e apresentando-os como se fossem da autoria da pessoa que os utiliza. (Estrela, Soares, & Leitão, 2006) | Roubo literário, científico ou artístico. Cópia servil do trabalho de outrem, prática altamente reprovável e errada no ponto de vista ético. A citação da fonte de informação impõe-se, mormente no universo científico, técnico e jornalístico. (Pericão & Faria, 2008) | Subscrever ou apresentar como seu, por inteiro ou modificando-o parcialmente, um trabalho artístico ou literário de outrem. (Lopes, 2013)

PLoS (Public Library of Science)

Iniciado em 2001, trata-se de um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de criar uma biblioteca de revistas científicas e publicações afins dentro do modelo de licenciamento de acesso aberto, usando as Licenças Creative Commons para esse efeito. (https://www.plos.org/)

Política de Acesso Aberto da FCT FCT Open Access Policy

Documento de caráter vinculativo que estabelece as regras a observar pelos investigadores no âmbito da publicação científica resultante de investigação financiada, total ou parcialmente, pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). A Política determina que estas publicações devem ser depositadas em repositórios, na sua forma integral, para permitir o acesso livre e sem custos ou restrições de conteúdo a qualquer utilizador. Englobam regras e recomendações para o acesso livre e online a publicações sujeitas a revisão por pares e a dados resultantes de investigação científica financiada pela FCT. A Política entrou em vigor a 5 de maio de 2014. No seu essencial, a Política sobre Acesso Aberto a publicações científicas resultantes de investigação financiada pela FCT determina que as publicações de resultados científicos, que sejam sujeitas a revisão por pares ou outra forma de revisão científica, devem ser depositadas num dos repositórios em acesso aberto do RCAAP logo que possível, de preferência por altura da aceitação da publicação. É permitido um período de embargo, depois do qual todo o conteúdo das publicações deve ser livremente disponível. A Política aplica-se a artigos em revistas científicas, atas de conferências, pósteres, livros e capítulos de livros, monografias, dissertações de mestrado e teses de doutoramento. (https://www.fct.pt/documentos/PoliticaAcessoAberto_Publicacoes.pdf)

Pós-impressão ver Postprint

Postprint

Rascunho de um manuscrito depois de revisto pelos pares. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

 

É o texto digital de um artigo avaliado, revisto (peer-reviewed) e aceite para publicação por uma revista científica. Inclui o draft digital final do autor, revisto e aceite; a versão revista e corrigida do editor, geralmente em PDF; e qualquer revisão subsequente, com correções do draft final peer-reviewed. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

 

A pós-impressão (ou pós-publicação) é a versão final de um manuscrito produzido por um ou mais autores, após a revisão feita pelos pares, com as alterações sugeridas pelos pares, mas sem a formatação do editor. (http://openaccess.inist.fr/spip.php?page=glossaire)

 

A versão do trabalho, que contém todas as alterações decorrentes dos processos de validação científica, incluindo as que decorrem de processos de arbitragem por pares e/ou as de natureza académica requeridas pelo editor da revista, comité científico da conferência ou equivalente, e que é acordada entre o autor e o editor como a versão que será publicada, mas antes ainda de ser submetida à revisão de texto e à composição tipográfica, é a que se designa, no âmbito da Política de Acesso Aberto, versão final do autor. (http://www.fct.pt/faq/pr.phtml.pt?idFaq=A84F4B1B-E707-4B44-928F-2B7B26E2C6DE)

Pré-impressão ver Preprint

Preprint

Rascunho de um manuscrito que ainda não foi objeto da revisão formal dos pares e que é previamente divulgado para obtenção de comentários e sugestões dos seus pares. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

 

É o texto digital de um artigo ainda não avaliado e revisto (peer-reviewed) e ainda não foi aceite para publicação em revista científica. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario)

 

A pré-impressão (ou pré-publicação) designa qualquer das versões de um texto produzido por um ou mais autores antes da aceitação por parte de um Conselho Editorial e, possivelmente, da análise realizada pelos pares. (http://openaccess.inist.fr/spip.php?page=glossaire)

Preservação – Preservation

Termo genérico que designa o conjunto de medidas a empreender para garantir a preservação da integridade dos documentos e dos seus conteúdos, em manter o acesso eletrónico e em assegurar a legibilidade e a perenidade dos seus conteúdos durante um longo período de tempo. (http://openaccess.inist.fr/spip.php?page=glossaire)

Princípios de Panton para os Dados Abertos em CiênciaPanton Principles for Open Data in Science

Muito além da Declaração de Berlim, os princípios da Declaração de Pantom (de fevereiro de 2010) concentram-se no licenciamento de conteúdos que claramente garantam a partilha, distribuição, reutilização e a produção de trabalhos derivados, de acordo com o mote "partilha e reutilização" de dados por parte da comunidade científica. A ciência é baseada na construção de conhecimento, na reutilização e na crítica aberta ao conhecimento científico. Para a ciência ser eficaz e para que a sociedade recolha o benefício da ciência é crucial que os dados científicos sejam divulgados de forma aberta. Dados abertos em ciência é uma expressão que significa que ela está livremente disponível na Internet, de modo a permitir a qualquer utilizador descarregar, copiar, analisar, transferir para um software adequado ou reutilizar para qualquer outra finalidade, sem restrições financeiras, legais ou técnicas. Este objetivo implica que os dados relacionados com a ciência devam ser explicitamente colocados no domínio público. (http://pantonprinciples.org/)

Princípios e Orientações da OCDE para o Acesso aos Dados de InvestigaçãoOECD Principles and Guidelines for Access to Research Data

Em 2007, a OCDE publicou OECD principles and guidelines for access to research data from public funding, documento que defende a promoção de uma cultura de abertura e partilha de dados de investigação, de incentivo à partilha e sensibilização dos custos e benefícios de eventuais restrições e limitações no acesso e na partilha de dados de investigação financiada com fundos públicos. (http://www.oecd.org/science/sci-tech/38500813.pdf)

Processamento de Texto e Dados ver Text and Data Mining

Projeto BLIMUNDA – BLIMUNDA Project

O Projeto Blimunda tem como principais objetivos fazer o levantamento das políticas das editoras e revistas científicas nacionais em relação ao autoarquivo em repositórios institucionais e registar as mesmas na base de dados internacional SHERPA/RoMEO. No âmbito do projeto Blimunda também tem sido levada a cabo a tradução para Português do website do projeto SHERPA/RoMEO e realizadas algumas ações de comunicação e disseminação, tendo em vista a sensibilização do acesso aberto junto dos responsáveis pelas editoras e revistas científicas. (http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/sobre-o-rcaap/servicos/projecto-blimunda)

Public Library of Science ver PLoS

Publicação Publishing

Divulgação pública dos resultados da investigação. Refere-se genericamente à divulgação de obras pelos editores, independentemente da concessão do seu acesso público. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Publicação Eletrónica – Epub | Publicação em formato de documento eletrónico.

 

Q

 
 

R

RCAAP (Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal)

O Portal RCAAP é a componente central do projeto Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal e tem como objetivo a recolha, agregação e indexação dos conteúdos científicos em acesso aberto (ou acesso livre) existentes nos repositórios institucionais das entidades nacionais de ensino superior e outras organizações de I&D. Em 2010, o Portal RCAAP passou a agregar os conteúdos científicos produzidos no Brasil disponibilizados a partir do agregador mantido pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). Assim, o Portal constitui-se como um ponto único de pesquisa, descoberta, localização e acesso a milhares de documentos de caráter científico e académico, nomeadamente artigos de revistas científicas, comunicações em conferências, teses e dissertações, distribuídos pelos repositórios que integram a rede, quer nacionais quer brasileiros. Para que a agregação dos repositórios no Portal RCAAP seja possível é necessário que os mesmos satisfaçam as respetivas condições de agregação. No sentido de facilitar o cumprimento dos requisitos de agregação do Portal RCAAP foi desenvolvido o validador de repositórios. O validador é uma ferramenta de apoio à gestão dos repositórios que permite aferir o grau de conformidade de um repositório com as diretrizes definidas para o projeto, as quais derivam das Diretrizes DRIVER. (http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/sobre-o-rcaap/servicos/portal-rcaap

Registo Nacional de Teses e Dissertações ver RENATES

Registry of Open Access Repository Mandates and Policies ver ROARMAP

RENATES (Registo Nacional de Teses e Dissertações)

A plataforma RENATES permite a recolha de dados relativos a teses e trabalhos de doutoramento e de dissertações e trabalhos de mestrado, nomeadamente doutoramentos em curso, doutoramentos realizados em Portugal, equivalências atribuídas pelas universidades portuguesas, bem como mestrados concluídos. O RENATES destina-se aos estabelecimentos públicos e privados de ensino superior português que conferem o grau de doutor e/ou de mestre, encontrando-se disponível desde 1 de dezembro de 2015. Com o RENATES pretende-se sustentar uma base de dados de tese de doutoramentos, bem como de dissertações e trabalhos de mestrados concluídos, respeitando assim o exposto na Portaria nº 285/2015, de 15 de setembro. (https://dre.pt/application/file/70297526)

 

A plataforma online visa facilitar a cooperação entre as entidades envolvidas e pretende contribuir para o reconhecimento da comunidade científica, bem como para a disponibilização de uma informação mais completa e atual, respondendo a solicitações de organismos nacionais. (http://renates.dgeec.mec.pt/)

RepetibilidadeRepeatability

A similaridade entre os resultados de um estudo ou ensaio e os resultados independentes obtidos com os mesmos métodos e sob condições idênticas (i.e., refere-se a métodos e análise). (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Repositório Repository

Um arquivo para o depósito de originais. Estes podem ser pessoais ou institucionais (e.g., ResearchGate, Academia.edu ou arXiv). (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal ver RCAAP

Repositório Comum do RCAAP

O Repositório Comum é um serviço derivado do SARI destinado aos investigadores afiliados em instituições do sistema científico nacional (designadamente, centros de investigação públicos ou privados, universidades, institutos politécnicos) que não possuam repositório institucional próprio. Através do Repositório Comum, esses investigadores passam a dispor de um local onde podem arquivar e tornar acessível a sua produção científica (artigos publicados, comunicações aceites e publicadas em conferências, teses e dissertações aprovadas). A adesão ao Repositório Comum é efetuada pela instituição. Processada a adesão, a instituição é responsável por gerir a secção do Repositório Comum a ela atribuída, regulando a admissão dos autores e os depósitos. A presença de instituições no Repositório Comum pode constituir-se como base futura de um repositório próprio. À semelhança dos restantes repositórios, o Repositório Comum é indexado pelo portal RCAAP. (http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/sobre-o-rcaap/servicos/repositorio-comum

Repositório InstitucionalInstitutional Repository

Sistema de informação para armazenar, preservar e difundir a produção intelectual das instituições (e.g., uma instituição universitária). Pode ser criado e mantido de forma individualizada ou por grupos de instituições que trabalhem numa base corporativa. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario) | Base de dados criada para compilar a produção intelectual de uma instituição ou de uma universidade, incluindo coleções digitais, como teses e dissertações eletrónicas (ETDs) ou manuscritos pré-revistos, apresentando metadados associados. (http://library.pitt.edu/oscp/glossary#oscp_glossary-page-44) (http://www.ndltd.org/resources/author-etds/publishing-and-repositories)

ReproducibilidadeReproducibility

Similaridade entre os resultados de um estudo ou ensaio e resultados independentes obtidos com os mesmos métodos, mas sob condições diferentes (i.e., refere-se aos resultados). (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Resultados de InvestigaçãoResearch Results

Quaisquer dados ou textos científicos gerados em processo de investigação, bem como outros elementos baseados nos dados da investigação. Estes resultados da investigação podem ter sido publicados (resultados publicados) ou não (resultados por publicar). (http://books.openedition.org/oep/1653)

Resultados de Investigação PúblicaResults of Public Research

Resultados gerados pela investigação realizada com fundos públicos ou por financiamento público igual ou superior a 50%. (http://books.openedition.org/oep/1653)

RevistaJournal

Compilação de artigos de investigação. Tradicionalmente divide-se em volumes e em números. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Revista coletânea ver Overlay journals

Revista de Acesso Aberto Open Access Journal

Revista que publica exclusivamente artigos em acesso aberto. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Revista Híbrida Hybrid Journal

Algumas revistas tradicionais oferecem aos autores, por uma taxa adicional, a opção de disponibilizar de forma universal e gratuitamente os seus artigos. Outros artigos na mesma revista permanecem acessíveis apenas através de subscrição. Estas revistas são conhecidas como «revistas híbridas». (http://libraries.mit.edu/scholarly/hybrid-journals/) (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

ROARMAP (Registry of Open Access Repository Mandates and Policies)

Registo internacional pesquisável, que analisa o crescimento de mandatos e de políticas de acesso aberto adotados pelas universidades, instituições de investigação e financiadores, os quais exigem aos investigadores que facultem o livre acesso aos resultados da sua investigação, avaliada pelos pares, e depositando-os num repositório de acesso aberto. (https://roarmap.eprints.org/)

 

S

Saber ver Conhecimento SARC (Serviço de Alojamento de Revistas Científicas)

O SARC foi criado para desenvolver a publicação online de revistas científicas em Portugal, facilitando a gestão de revistas científicas e apoiando as melhores práticas. O serviço assenta na plataforma de publicação e gestão de publicações OJS – Open Journal System, um sistema open source com uma ampla comunidade de utilizadores e forte impacto no domínio do acesso aberto. Este serviço, disponibilizado no âmbito do projeto RCAAP, é fornecido em regime de SaaS (Software as a Service) e são desenvolvidas todas as atividades de atualização, monitorização, backups e segurança. Além dos aspetos técnicos, é ainda disponibilizado um serviço de apoio ao editor da revista, assim como a formação necessária à utilização do sistema. (http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/sobre-o-rcaap/servicos/sarc)

SARDC (Serviço de Alojamento de Repositórios de Dados Científicos)

O SARDC pretende disponibilizar uma plataforma para o livre acesso aos dados criados e utilizados no âmbito do trabalho de investigação de instituições de âmbito nacional. Caracteriza-se pela disponibilização de uma plataforma de repositórios (DSpace) e de suporte a toda a componente de manutenção de dados, como backups, monitorização, atualização, segurança, etc., desta forma, isentando os investigadores da preocupação destas tarefas. Este serviço integrado apoia-se na implementação inicial do repositório, nomeadamente na definição da estrutura do repositório e da adequação do formulário de depósito a esquemas de metadados específicos. O serviço SARDC pretende disponibilizar os dados depositados no repositório através do Portal RCAAP. O serviço está disponível em: http://dados.rcaap.pt (http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/sobre-o-rcaap/servicos/sardc)

SARI (Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais)

O SARI destina-se a ser utilizado por qualquer das instituições do sistema científico e do ensino superior para alojamento do seu repositório com individualização de identidade corporativa própria. Para além da personalização da imagem do repositório, cada instituição pode também definir e implementar as configurações e parametrizações que considere adequadas à sua estrutura organizacional e às suas políticas de autoarquivo de publicações e de gestão do repositório. Os repositórios disponibilizados neste regime são automaticamente indexados no Portal RCAAP. O SARI é fornecido em regime SaaS (Software as a Service), isto é, assenta em infraestruturas do RCAAP (hardware, alojamento, conectividade, sistemas base, aplicações, segurança perimétrica, serviço de backups, monitorização e alarmística), cuja gestão e operação é feita pela equipa de projeto. (http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/sobre-o-rcaap/servicos/sari)

SCEUR (Serviço Centralizado de Estatísticas de Utilização de Repositórios)

Sistema centralizado que permite agregar e apresentar dados estatísticos da utilização dos repositórios institucionais que integram o projeto RCAAP. Este serviço tem como objetivo monitorizar a utilização dos repositórios, permitindo efetuar comparações entre os vários recursos e disponibilizar rankings e informação estatística do conteúdo dos repositórios. O serviço está disponível em http://sceur.rcaap.pt e disponibiliza dados dos repositórios com os requisitos técnicos necessários. (http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/sobre-o-rcaap/servicos/sceur)

SciELO Scientific Electronic Library Online

Criada em 1998, no Brasil, a partir de um projeto-piloto em parceria com a FAPESP e o Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME/OPAS/OMS), a Plataforma SciELO guiou-se por duas abordagens pioneiras e inovadoras: a indexação de revistas nacionais de qualidade para complementar os índices internacionais e a publicação de textos completos de acesso aberto, na Internet, na modalidade Via Dourada; e a convergência cooperativa de editoras independentes, editores e agências nacionais de investigação acerca do objetivo comum de aumentar a qualidade e a visibilidade das revistas científicas. Ao longo dos anos, a Plataforma SciELO assumiu um padrão de qualidade para as revistas que indexa. Contempla catorze países ibero-americanos, a que se juntou a África do Sul mais recentemente, em que cada um deles publica uma coleção de revistas nacionais na rede. Existem também duas coleções temáticas multinacionais na Plataforma. No total são indexados cerca de mil títulos de revistas, sendo publicados mais de 40 mil artigos por ano. A Plataforma já publicou mais de 400 mil artigos de acesso aberto, verificando-se uma média diária de mais de 1,5 milhões de downloads de artigos, sendo 65% deles em PDF e 35% em HTML. A Plataforma SciELO é a maior fornecedora de revistas do DOAJ. Do mesmo modo, a maioria das revistas latino-americanas indexadas pela Web of Science e pela Scopus é de acesso aberto e da SciELO. (http://www.scielo.org/local/File/livro.pdf)

Scientific Electronic Library Online ver SciELO

Securing a Hybrid Environment for Research Preservation and Access/Rights of MEtadata for Open archiving ver SHERPA-RoMEO

Semantometrics

Ao longo dos últimos anos regista-se um interesse crescente no desenvolvimento de novos métodos de avaliação da investigação que ultrapassem as métricas tradicionais à base de citações. Este interesse é motivado, por um lado, por uma maior disponibilidade ou até mesmo pelo aparecimento de novos dados que evidenciam o desempenho da investigação, como o descarregamento de artigos, o número de visualizações e de comentários no Twitter e, por outro lado, pelos problemas relacionados com a aplicação simples de métricas de citação na avaliação do desempenho da investigação. (https://arxiv.org/pdf/1605.04180v1.pdf)

 

Trata-se de uma nova classe de métricas para avaliação da investigação. Ao contrário da bibliometria, da webometrics, do Altmetrics, etc., a semantometrics não é baseada na medição do número de interações na rede da comunicação académica; baseia-se na premissa de que é necessário o texto completo para avaliar o valor de uma publicação. As medidas de similaridade semântica podem ser utilizadas para fornecer dados sobre a contribuição dos trabalhos de investigação não recuperados pelos fatores de impacto tradicionais baseados puramente em citações. (https://www.fosteropenscience.eu/content/towards-semantometrics-new-semantic-similarity-based-measure-assessing-research-contribution)

Serviço Centralizado de Estatísticas de Utilização de Repositórios ver SCEUR

Serviço de Alojamento de Repositórios de Dados Científicos ver SARDC

Serviço de Alojamento de Revistas Científicas ver SARC

SHERPA/RoMEO (Securing a Hybrid Environment for Research Preservation and Access/Rights of MEtadata for Open archiving)

Ferramenta que verifica as políticas de autoarquivo para as revistas científicas. (http://www.sherpa.ac.uk/romeo/index.php)

Shibboleth System

Elimina a necessidade de existência de nomes de utilizador e de senhas de acesso, permitindo que as instituições limitem o acesso à informação, ao mesmo tempo que a direciona e protege, em acesso remoto, para utilizadores aprovados. (https://royalsociety.org/~/media/Royal_Society_Content/policy/projects/sape/2012-06-20-SAOE.pdf)

SubscriçãoSubscription

Forma de modelo de negócio em que se paga uma taxa de modo a obter o acesso a um produto ou serviço (e.g., publicações académicas e científicas). (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

 

T

Taxa de Processamento de Artigos ver APC

Taxa de Publicação ver APC

TDM ver Text and Data Mining

Text and Data Mining (TDM)

Técnica que envolve o processamento automatizado do conhecimento. (http://books.openedition.org/oep/1653)

U

 
 

V

Versão Aprovada de Autor ver Postprint

Versão do EditorPublisher’s Version

Trata-se da versão final e publicada de um manuscrito redigido por um ou mais autores, após a revisão feita pelos pares e com a formatação do editor. (http://books.openedition.org/oep/1653)

 

A versão que é publicada, sendo idêntica à versão final do autor, no que diz respeito ao conteúdo, mas tendo sofrido as alterações decorrentes da revisão de texto e da composição tipográfica (formatação do estilo de acordo com o meio de publicação em que surge). É a versãoque se designa no âmbito da Política como versão do editor. (http://www.fct.pt/faq/pr.phtml.pt?idFaq=A84F4B1B-E707-4B44-928F-2B7B26E2C6DE)

Versão Final Version of Record (VOR)

Versão final de um manuscrito, após revisão pelos pares e processada pela editora. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Versão Original do Autor ver Preprint

Via DiamanteDiamond OA

Forma de acesso pela via dourada em que não são contempladas taxas ao autor (APC). (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Via DouradaGold OA

A Via Dourada refere-se à produção e disseminação de artigos de revistas científicas eletrónicas de acesso livre na Internet, sem restrições de acesso ou uso. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario) | A versão final do manuscrito é livremente disponibilizada imediatamente após a sua publicação pelo editor. (https://figshare.com/articles/Open_Research_Glossary/1482094)

Via VerdeGreen OA

A Via Verde significa a criação de repositórios institucionais de acesso livre para a organização e disseminação da produção científica. É um sinal verde dos detentores de direitos autorais para o arquivo da produção científica, tanto de pré-publicações (preprints), avaliadas ou não pelos pares, quanto de pós-publicações (postprints), num processo complementar à publicação em revistas científicas. (http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/glossario

Visibilidade – Visibility

A visibilidade de uma obra depende da sua condição de se tornar visível e da sua alargada difusão, atingindo o maior número de pessoas de modo a aumentar o seu impacto e a notoriedade do seu autor. (http://openaccess.inist.fr/spip.php?page=glossaire)

VOR ver Versão final

 

W

Webometrics

O ranking web ou webometrics é o maior ranking académico de instituições do ensino superior. Semestralmente, desde 2004, o Cybermetrics Lab (do Consejo Superior de Investigaciones Científicas – CSIC, o maior organismo público de investigação em Espanha) realiza uma análise independente, objetiva, científica e aberta, garantindo o fornecimento de informação fiável, multidimensional, atualizada e útil sobre o desempenho das universidades de todo o mundo com base na sua presença e no seu impacto na Internet. O objetivo não é avaliar sites, a sua conceção ou usabilidade ou a popularidade dos seus conteúdos de acordo com o número de visitas. Os indicadores web são considerados para uma correta e abrangente avaliação do desempenho global da instituição de ensino superior, considerando as suas atividades e resultados, bem como a sua relevância e impacto. (http://www.webometrics.info/en/About_Us)

 

X

 

Y

 

Z

ZENODO

O Zenodo administra e opera um serviço simples e inovador que permite aos investigadores e cientistas partilhar os projetos institucionais da União Europeia, preservar e apresentar resultados de investigação multidisciplinar (dados e publicações) que não fazem parte dos repositórios institucionais ou temáticos das comunidades científicas. O Zenodo permite partilhar facilmente os resultados mais específicos da investigação através de uma vasta gama de formatos, incluindo texto, folhas de cálculo, áudio, vídeo e imagens em todos os campos da ciência; apresentar os resultados de investigação e obter o seu retorno, tornando estes resultados citáveis e integrando-os em potenciais linhas de financiamento, como as da Comissão Europeia; permite ainda aceder e reutilizar com facilidade os resultados da investigação partilhados por outros investigadores. (http://zenodo.org/about)

Referências impressas
Estrela, E., Soares, M. A., & Leitão, M. J. (2006). Saber escrever uma tese e outros escritos. Lisboa: Dom Quixote.


Lopes, C. A. (2013). Como fazer citações e referências para apresentação de trabalhos científicos? Aplicação prática da normativa APA (2010, 6ª edição). Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada.


Ohlsson, S. (1994). Declarative and procedural knowledge. In T. N. Postlethwaite, & T. Husen (Eds.), The international encyclopedia of education (Vol. 3, pp. 1432-1434). Oxford: Pergamon.
Pericão, M. G., & Faria, M. I. (2008). Dicionário do livro: Da escrita ao livro eletrónico. Coimbra: Almedina.


Polanyi, M. (1966). The tacit dimension. London: Routledge.